Artigos

(19/03/2018)
A presença da mulher na política


Jenifer Cardoso, Secretaria de Finanças e Planejamento da JSB ES


A presença das mulheres no espaço político tem quebrado preconceitos e promovido profundas mudanças nas relações domésticas e sociais. É dessa forma que entendemos que as mulheres têm uma importante contribuição para dar à política. Hoje, as mulheres representam metade do eleitorado no Brasil, no entanto elas permanecem minoria no parlamento, no executivo e no judiciário, apesar da existência de cotas previstas em lei.


Se observarmos pelo viés da juventude, cerca de 34% do eleitorado brasileiro é representado por jovens entre 16 a 29 anos. É muito comum se ouvir comentários de que a juventude hoje não se interessa por política, que é uma geração apática, alienada e consumista, e que passa a maior parte do seu tempo na frente da TV, mas, segundo pesquisas do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o eleitorado jovem pode decidir uma eleição.


Quando se trata de efetiva participação política, ainda existe preconceito entre as próprias mulheres, em relação a si mesmas e principalmente se forem jovens. É o caso, sobretudo, das mulheres casadas e com filhos, que possuem atribuições domésticas e enfrentam grandes dificuldades para conseguir conciliar a carreira política, o casamento e suas famílias. Há ainda o caso de muitas mulheres jovens que se deixam ser dominadas ou não se importam com o futuro que terão, acreditando que a política é apenas o que se mostra nas mídias sociais. São poucas as que entram para entender realmente o que é a política, a participação da mulher jovem na vida pública ainda é muito baixa. Acreditamos que essas jovens precisam ocupar espaços político-administrativos, proporcionando à sociedade uma administração inteligente e, sobretudo, voltada para o progresso.


Quando digo mulher jovem, não me refiro apenas à idade, mas jovem de ideias, de mentalidade, jovem na criatividade, no dinamismo, jovem de espírito, enfim, que tenha essa força e saiba valorizar as experiências positivas do passado, com a honradez e a coragem de assumir os erros, fazendo destes motivos para a busca constante do acerto.


A inserção da juventude na política é de extrema importância para renovar quadros, trazer novas ideias e construir um novo caminho. Os jovens não podem ficar omissos, eles devem acreditar na força como instrumento de transformação. No exercício da cidadania, a participação do jovem amplia os espaços públicos, combatendo assim o individualismo na sociedade política. O eleitor jovem deve compreender que a política faz parte do nosso dia a dia e é fundamental para a sobrevivência da sociedade.


Já a mulher adulta em sua jornada, muitas vezes, tripla – de trabalhadora, mãe e dona de casa – lida de perto com todas as questões sociais do país, a educação dos filhos, o orçamento para as compras do mês, os juros das compras a prazo, a saúde, a preocupação com a violência, o desemprego próprio, do marido, do filho, do irmão, e, com sensibilidade e dedicação, ela vai encontrando as soluções para dar conta da vida. É preciso representar esse olhar feminino do mundo, é preciso fazer valer a experiência feminina de gestão dos problemas cotidianos.


É provável que exista uma questão cultural, ligada a preconceito e discriminação. Responsabilidades muito maiores (muitas vezes sem contar com qualquer colaboração masculina) na criação da família e nos afazeres domésticos, barreiras no mercado de trabalho e o preconceito impedem que as mulheres pratiquem a política e sejam ouvidas da mesma maneira que os homens. Há um fator institucional que dificulta a chegada das mulheres ao poder. Essa barreira institucional tem origem tanto na legislação eleitoral, quanto nas relações de poder no âmbito dos partidos políticos brasileiros.


Como podemos dizer que exercemos a plena democracia, se as mulheres, que são 51% da população e do eleitorado brasileiro (incluindo mulheres com idade entre 16 a 29 anos), ocuparam menos de 12% dos 1.681 cargos políticos disputados nas últimas eleições? Para haver uma verdadeira renovação política no país, precisamos urgentemente mudar este quadro.


“Você, jovem mulher, é a alavanca necessária para dar o início a uma revolução política”.